22/10/2012

Para atualizar o blog


Com o final do semestre no doutorado (universidades em greve... ainda estamos no primeiro semestre de 2012, mesmo que seja outubro!) e com a minha festa de aniversário chegando (será temática, aguardem), ando um pouco sem tempo para atualizar o blog. Como não desisti do projeto de ter um diário digital para contar as aventuras e desventuras da vida, estou postando uma simples dica: a página facebook.com/superpolicar, que traz palavras interessantes do idioma português e de outras línguas e dialetos. 

05/10/2012

Fotografia e Viagem: Yann Arthus-Bertrand

Algo que me fascina é a fotografia, a capacidade do observador de captar um instante eternizado de beleza. Desde pequena o belo me atrai, mas nada chama tanto a minha atenção quanto essa arte. Um dos planos que tenho para os próximos vinte anos é seguir fotografando (sim, eu fotografo; não tão bem quanto gostaria, mas sigo treinando) ao ponto de poder montar uma exposição e publicar um livro com um trabalho consistente. Durante as minhas viagens, gosto de captar cenas pitorescas, a natureza e a arquitetura. Tenho como inspiração - nessa busca pessoal de um dia ser uma artista da fotografia - os trabalhos de Yann Arthus-Bertrand e de Sebastião Salgado, dentre outros. Não que eu ouse pensar que serei algo parecida com eles, mas utilizar a câmera como instrumento de conscientização social e de direitos humanos é um trabalho nobre e que merece grande reconhecimento. 
Yann Arthus-Bertrand é francês,  fotógrafo, jornalista, repórter e ambientalista. Trabalhou para revistas como National Geographic, Géo, Life, Paris Match e Figaro Magazine. Atualmente, desenvolve o projeto “6 bilhões de Outros”, que consiste em  ir ao encontro de habitantes de todos os cantos do mundo e reunir seus testemunhos sobre seus medos, sonhos, experiências e esperanças, por meio da aplicação de  um questionário, cujo objetivo é descobrir aquilo que nos separa e aquilo que nos une. Seu acervo conta com mais de 7.000 testemunhos. Em 2009, foi nomeado “Embaixador da Boa Vontade” do Programa das Nações Unidas pelo Meio Ambiente (PNUMA) pelo seu trabalho como ambientalista. Betrand está em Brasília para o lançamento da sua exposição "Terra vista do céu" e para fotografar a cidade. O coquetel de recepção foi ontem, no Museu da República. Felipe e eu estivemos presentes no evento e tivemos a grande honra de ganhar um livro autografado pelo fotógrafo. Junto com o livro do Sebastião ("Êxodos"), ele fará parte da nossa coleção, guardado em um lugar especial da nossa casa, inspirando a nós a a todos que vierem nos visitar. Foi uma excelente e cativante noite de quinta-feira. E os interessados em ver o novo filme do artista, ele será exibido hoje às 20h na Biblioteca Nacional.


30/09/2012

Mapas divertidos


Para aqueles que adoram mapas divertidos, o site www.theydrawandtravel.com tem uma série de opções interessantes, que são carregadas por seus colaboradores e por quem se interessar em enviar desenhos. Na próxima viagem, vou preparar um e postar aqui!

28/09/2012

Cupcakes

Estes são os cupcakes, bolo e pirulitos da festa de comemoração da posse do Lipe em Brasília. Decidimos fazer a decoração com o tema de viagem e contratamos os serviços de alguns profissionais (como eu estaria viajando, não poderia  fazer os doces da festa). A doceira é a Renata Rebelo, que também fará os cupcakes do meu aniversário dos anos 80. Já as garrafinhas e latinhas com M&M são da Recrefesta. Os globinhos foram comprados na loja de 1,99 da 203 norte. O bolo é da Tia Lu. Recomendo a todos!!!






27/09/2012

Casament(and)o


No dia 27 de agosto, dia do resultado final da quarta fase do CACD, fui surpreendida pelo Felipe com um pedido de noivado apaixonado e com uma linda aliança, que havia sido da avó dele. Comemoramos com Veuve Clicquot e com um jantar preparado especialmente por ele. Foi o momento mais feliz da minha vida! Agora, temos o desafio de organizar uma festa de casamento (que será somente para os mais íntimos, algo pequeno e elegante) para selar este amor que desconhece fronteiras. Quem quiser acompanhar os preparativos, pode acessar o blog http://organizandoocasamento.blogspot.com.br e desfrutar conosco dessa nova aventura!

26/09/2012

Na alegria e na distância

Quando nos casamos, fazemos o juramento de estar ao lado do nosso cônjuge em todos os momentos, seja na saúde, na doença, na riqueza e na pobreza. Mas ninguém fala que também estaremos presentes na alegria e na distância - o que, na vida diplomática, é fundamental. O Felipe tomou posse no dia 17 de setembro e comemorou a sua aprovação no dia 15 que a antecedeu. Eu estive presente nas duas, mas somente em pensamento. Como fui designada para uma missão em São Paulo e outra em Lisboa, não consegui conciliar a agenda de trabalho com esse momento tão importante. Enquanto todos comemoravam, eu estava sobre o Oceano Atlântico, rumo a Portugal. Mas isso não impediu que, de alguma forma, eu participasse da tão esperada festa. Os cupcakes, as lembrancinhas e os pirulitos foram escolhidos por mim (junto com ele, claro), que coordenei a decoração, mesmo estando em São Paulo. A família toda ajudou a organizar uma linda festa de posse! E para a minha surpresa, o primeiro pedaço do homenageado foi para mim. Não poderia ter recebido notícia mais emocionante do que essa! E para completar a surpresa, meu retrato que fica na parede da sala apareceu como fundo em várias fotos, como se eu estivesse em Brasília. Na alegria e na distância, estaremos sempre juntos, meu amor!

24/08/2012

Amiga, nem te conto!

Amiga, nem te conto! O resultado da quarta fase saiu no dia 15 de agosto. Apesar de o resultado final - com as notas após a fase de recursos - ser publicado somente daqui a quatro dias, parece que para todos ao meu redor a minha vida inteira já mudou. Me perguntam quando será o nosso casamento, se já temos alguma viagem planejada, se vou sair do meu emprego, se falta muito para uma remoção para o exterior, se comprei o vestido para a posse, se estou animada com a festa a fantasia, se pretendemos ter filhos, se as crianças estudarão em escola francesa ou inglesa, se gosto de recepções, etc. Fico muito feliz quando me parabenizam pela aprovação do meu namorado, pois sinto que de alguma forma tive participação no seu sucesso, mas ainda acho um pouco estranho responder a tantas perguntas; afinal, é ele quem será empossado. Talvez eu - sem perceber - também tenha tomado posse. Talvez ser diplowife seja muito mais do que ser casada com um diplomata, seja adotar uma opção de vida um tanto quanto nômade, que me leve a acompanhá-lo e apoiá-lo em todos os aspectos da sua carreira e da sua vida. Ai, amiga! Quanta coisa novidade em uma semaninha! Enquanto tento colocar os pés no chão e entender o que se passa, estou ajudando a organizar a festa para família e amigos íntimos que faremos na véspera da posse. Curiosa para saber da festa? Pois é... será temática! O resto, é surpresa.

14/08/2012

Sitting, waiting, wishing

Sitting, waiting, wishing. Neste momento a música do Jack Johnson tomou um significado novo para mim.O resultado da quarta fase do CACD estava previsto para ser publicado no dia 08 de agosto de 2012, mas devido a problemas no sistema do CESPE de acesso aos recursos da terceira fase, postergaram os prazos em uma semana. Cada dia parece uma eternidade e a ansiedade já está me consumindo. Parece que o dia de amanhã não chegará nunca...

01/08/2012

Diplowife: DIY

Algo que sempre me chamou a atenção são aquelas jovens que querem se casar com diplomatas. Assim como no futebol existem as Maria Chuteiras, na diplomacia existem as Maria Passaportes. Não sei se esse termo já foi utilizado por alguém ou se eu mesma acabei de cunhá-lo, mas o que mais me intriga é haver um seguimento social que busque no casamento uma, digamos "carreira" ou meramente uma ascensão social. Este não é nem nunca foi o meu caso. Sempre pensei que eu seria uma diplomata e que nessa qualidade ou ficaria sozinha, devido a questões profissionais e ao machismo que insiste em permear nossa sociedade, ou que me casaria com um homem que me acompanharia pelo mundo e que cuidaria da casa e dos filhos -se algum dia tivéssemos algum. A possibilidade de eu me tornar uma diplowife nunca fez parte do meu imaginário até dois anos e meio atrás. Pensar que poderei vir a ingressar nesse seleto grupo ainda é algo novo e que me agrada muito.

Mas afinal, quem são as diplowives e o que elas fazem? Sinceramente, eu não sei. E talvez não me interesse verdadeiramente saber, pois acredito que cada pessoa deva viver da forma que entende ser melhor para si.  Não é uma questão de desinteresse, mas sim de liberdade de escolha. Sei que existe um certo preconceito que ronda as diplowives. Há quem diga que são belas mulheres vazias, fúteis, meras donas de casa. Não é o que eu vejo aqui em Brasília. É claro que exceções sempre existem, mas as esposas de diplomatas que conheço têm carreiras bem sucedidas (seja no governo, na iniciativa privada ou em organismos internacionais). Algumas são acadêmicas de renome, outras ganham até mesmo mais do que seus maridos. Se existe um padrão, ele ainda não ficou claro para mim. Me parece (e gosto de pensar assim) que não existe uma fórmula - por isso o irônico DIY no título do post - para ser uma verdadeira diplowife, mas sim algumas características pessoais que permitam que as constantes viagens, mudanças de país e a distância dos amigos e família que ficaram no Brasil  não sejam um fardo pesado demais para ser suportado. Sinto que nasci para viajar, desvendar os segredos de novas culturas, fazer e desfazer malas pensando no próximo destino. Filha de militar que nunca foi transferido, talvez eu não saiba na prática o que isso significa, mas estou disposta a descobrir. O glamour em torno da carreira diplomática, nunca foi o que me atraiu (recepções, festas, compras pelo mundo), mas compreendo o interesse de quem vê no marido uma porta aberta para esse mundo. Não as recrimino, mas acho peculiar. Pessoalmente, prefiro ter uma "vida própria"  - se é que isso existe - mesmo que signifique trocar de emprego a cada nova remoção.

Agora, para aquelas que, interessadas no título-receita, leram este post até agora, aqui fica uma dica: se o seu noivo/namorado/pretendente/ficante/whatever estiver prestando o CACD, o apoie. É uma fase muito difícil na vida de quem quer se tornar diplomata e estudar 12h por dia muitas vezes não é o suficiente. Sei porque já cheguei a estudar 16h por dia e ainda não consegui passar do TPS. Dê a ele o tempo, o espaço e a tranquilidade para se preparar para as infindáveis provas desse concurso. Tenho certeza de que ao final da quarta fase, tudo serão flores.




31/07/2012

E tudo começou assim...

Na verdade não saberia dizer ao certo quando tudo começou, mas o título me pareceu bastante chamativo, ou ao menos suficientemente interessante para o primeiro post do blog. Como manda a boa etiqueta, vou me apresentar a vocês antes de começar a contar o (nem tão) princípio da minha jornada. Sou advogada,  mestre em Ciências Sociais, doutoranda, tenho 27 anos, trabalho em um organismo internacional e desde criança sonho ser diplomata. Inspirada pelo Pequeno Príncipe, sempre quis ter uma bela rosa vermelha. Não porque gostasse de flores, mas porque a ideia de ter alguém esperando por mim após longas e memoráveis viagens sempre me soou muito apetecedora. Chegar em casa e poder contar minhas aventuras por planetas desconhecidos era uma alegoria para a vida de diplomata que tanto sonhava. Mas a vida nos prepara surpresas. Jamais imaginaria que (quem sabe - e vocês entenderão o porquê mais adiante) seria eu a rosa que ficaria a aguardar seu Príncipe.

Como eu disse, é difícil estabelecer uma data exata para quando tudo começou. Por isso, decidi que seria o dia em que ficamos pela primeira vez. Nos conhecemos em novembro de 2009, no JB - um curso preparatório para o concurso de admissão à carreira de diplomata. Estudávamos na mesma sala, mas naquela época nenhum dos dois pensávamos em ficar juntos. Graças ao TPS de 24 de janeiro de 2010, nossas vidas jamais seriam as mesmas. Frustrada com o resultado da minha primeira tentativa (após formada, pois já havia prestado o concurso em 2003) de ingressar no Itamaraty, resolvi sair com um grupo de colegas que iria afogar as mágoas - e, certamente, alguns neurônios - no Beirute da Asa Norte. De lá, fomos para uma festa do Curso Clio e, por um acaso do destino, acabamos trocando o primeiro beijo. A versão formal da estória é essa... digamos assim.Começamos a namorar em 11 de fevereiro de 2010 - para quem está lendo, pode parecer que foi repentino, mas para mim essas duas semanas  e meia pareceram uma eternidade - e ao longo dos últimos 901 dias (ou 02 anos, 05 meses e 20 dias) compartilhamos o mesmo desejo de infância: nos tornarmos diplomatas. Apoiamos um ao outro durante a preparação para o concurso. Infelizmente, até agora eu não passei do TPS, mas ele já realizou dois CACDs (2009 e 2010) com um bom desempenho e neste ano de 2012 foi até a última fase. Agora, estamos aguardando o resultado da quarta fase. É possível que eu me torne uma diplowife dentro de algumas semanas e, quem sabe, diplomata dentro de alguns meses (ou anos, para ser mais realista). Por isso, decidi criar um blog para contar (ou desabafar, em sabe) como é a vida de alguém que vive pelo mundo.

Alguns blogs me inspiraram (diplowife.wordpress.com,  thediplomaticwife.com/blog  e diplomatrizzando.blogspot.com.br), mas a verdade é que sempre gostei de blogar. Ao longo da minha jovem vida (lembrem-se que tenho somente 27 aninhos) já tive mais de vinte blogs sobre os mais diversos temas. O primeiro que publiquei foi em 2000, mas diários sempre fizeram parte de mim. Não tenho pretensões de ser uma Clarisse Lispector, mas meu gosto pela escrita me permite sonhar em um dia publicar livros de memórias. Este seria um primeiro passo.