31/07/2015

Entrevista: Aminthas Angel, diplomata e músico

Hoje entrevistaremos Aminthas Angel, cantor e compositor baiano. Diplomata desde 2009, já serviu, provisoriamente, em Roterdã (2012) e em Caiena (2015). Atualmente, encontra-se em Brasília.


Aminthas Angel Cardoso Santos Silva, nascido a 10 de junho de 1977, na velha Cidade da Bahia, primogênito de casal de professores da rede pública de ensino, alfabetizou- se em Fazenda Grande, bairro em que morou até 2002, cursou primeiro e segundo graus nos históricos conventos da Soledade e das Mercês, onde participava de corais para missas comemorativas, formou-se em Psicologia, pela UFBa, trabalhou em Cícero Dantas, Lagarto e São Paulo, pelo Banco do Nordeste, bem como em empregos públicos em Piracicaba e no Teatro Coliseu, em Santos, sob a direção do renomado fotógrafo Ernesto Papa. Em 2009, ingressou na carreira diplomática, que conduz em simultaneidade à carreira artística. 

Participou, ainda na adolescência, do Coral da Associação Cultural Brasil Estados Unidos (ACBEU) e, em seguida, do Coral do Teatro Vila Velha (Vila Vox). Simultaneamente, montou dois grupos musicais; um, autoral; outro, baseado em versões de Alceu Valença, Zé Ramalho, Beatles e Luiz Gonzaga. Participou do Grupo Somos América, cantando em espanhol e recitando poemas hispano - americanos em português.

Hoje, tem escritas mais de 170 canções, que vão do samba de roda e do ijexa ao rock n` roll e pop. Tem participado, frequentemente em companhia de sua irmã, a cantora Deise Cardoso, de festivais e eventos variados Brasil afora. Recentemente, começou parceria, com o premiado poeta Jean Taruhn, colega de turma do Itamaraty, hoje servindo em Taiwan, e com a poetisa Vanessa Dourado.

O músico acaba de lançar seu CD de estreia, que já se encontra disponível no link:
http://www.cdbaby.com/cd/aminthasangel2
“Laurinha”, canção do primeiro álbum, foi premiada no Festival de Música de Votuporanga



Aminthas, fale um pouco sobre como é conduzir as carreiras de músico e de diplomata. Uma influenciou a outra?
Oi, Elisa, é uma experiência e tanto conduzir as duas carreiras ao mesmo tempo, já que são duas carreiras muito demandantes. Uma coisa acaba influenciando outra. Lembro de uma canção que compus quando morava em São Paulo e mudei o titulo inspirado em minha experiência na Holanda, em 2012.

Você tem uma parceria com o poeta Jean Taruhn, que conheceu no Itamaraty. Fale um pouco sobre essa troca de experiências e do trabalho que realizam em conjunto. 
Jean e eu estudamos na mesma turma do IRBr. Li os poemas dele e as letras dançavam em minha frente. Senti que alguma coisa estava acontecendo e quase que instantaneamente comecei a musicar quatro dos belos poemas escritos por ele.

Quais são suas maiores influências musicais?
Bom, la vai uma lista gigantesca …  primeiro as coisas que eu ouvia quando era muito criança por meio dos discos de Painho … Chico Buarque, Nara Leão, Gal Gosta, Beth Carvalho, Tom Jobim e Milton Nascimento. Ouvia também Gilberto Gil, mas quando eu era pequeno não gostava muito dele. Depois tinha as musicas que faziam sucesso naquela época, como as canções de Carnaval de Armandinho Dodo e Osmar e todo tipo de samba que se tocava na Bahia. Depois, aos oito anos, me apaixonei por Elvis. 
Um pouco mais tarde, aos 12 anos, virei beatlemaniaco, minha amiga mais antiga conheci naquela época. Eu estava na sexta serie e ela na sétima. Sua irma era minha colega de sala. Bom, ai, simultaneamente, havia uma ou outra musica afro-baiana que me tocava. Junto a tudo isso, havia as cancões eternas de Luia Gonzaga, que tocavam durante todo o mês de junho. Já, aos 15 anos, fiquei fanzasso de Chico Buarque, que acabou se tornando uma importante influencia. Nessa altura conheci Led Zeppelin e outras bandas de rock do passado e do que, naquela altura, era presente, mas não se tornaram grandes influencias. Já adulto, conheci o trabalho de Brian Wilson, que se tornou uma influencia significativa. Por fim, ao entrar de cabeça no mundo do Candomblé, minha musicalidade começou a incorporar outros elementos mais rítmicos. Atualmente, escuto João Gilberto, Dorival Caymmi e ritmos tradicionais, como samba de roda, moda de viola e samba coco, e isso tem sido as maiores influencias.  

Dizem que todo artista tem uma ilha de inspiração. Onde você gosta de compor? 
Nunca pensei nisso, acho que em qualquer lugar.

O que você gostaria de dizer aos nossos leitores? 
Comprem o disco, esta lindo, e ajude o Amintinhas a comer caviar, com acarajé...
(compre aqui neste link


30/07/2015

Aprendendo Mandarim no Youtube

Ideogramas chineses de forma simplificada e "fácil"

Em 2004, me propus a aprender Mandarim. Tive aulas na UnB durante um semestre. O professor era chinês, fazia parte do programa de intercâmbio de professores de uma universidade chinesa, onde estudava pós-graduação em letras. Não falava nada de Português, só Inglês. Apesar da barreira do idioma, as aulas eram bem divertidas e os alunos ficaram amigos dele (que gostava de jogar vídeo game após as aulas). Infelizmente, acabei não dando seguimento no curso - o sistema da matrícula na graduação é meio complicado, você nem sempre consegue a disciplina que deseja. Pude aprender somente as entonações e o básico para não morrer de fome. 

Quando meu marido ingressou no IRBr, optou por estudar Chinês (as três opções eram Chinês, Árabe ou Russo) e eu acabei retomando meus estudos (dessa vez em casa e sozinha) para poder acompanhá-lo; afinal, é muito chato falar um idioma e não ter com quem conversar. Foi bem legal, apesar de eu não estar nem perto do nível dele proficiência, passamos a assistir filmes chineses em Chinês (com legenda, é claro), o que é bem divertido! No Netflix existem várias opções. 

Contei toda essa história para poder falar que é possível aprender o básico pela internet. Queria dar dicas de duas páginas que são muito boas. Tem as aulas da Sissi, que é uma chinesa e leciona aqui no Brasil pelo Youtube. Ela fala Português e é super bem humorada. O canal se chama Pula Muralha.





Uma outra opção é o Chineasy. Eles também tem um canal no Youtube, mas as aulas são em Inglês. O legal são as ilustrações e desenhos, que facilitam a compreensão dos ideogramas.






E então? Se animaram? Uma primeira aula pode ser esta:

29/07/2015

DIY: Quero ser diplomata, e agora?

Nota inicial: Vou escrever no masculino, pois nossa língua não tem a opção de gênero neutro, mas queria dizer que estou torcendo muito para termos mais mulheres na carreira diplomática! 

Algumas pessoas me perguntam por onde começar os estudos para o concurso de admissão à carreira de diplomata. Pensando em tentar ajudar de alguma forma, escrevi este post. No próximo dia 02 de agosto de 2015, teremos mais um Teste de Pré-seleção (TPS), então as dicas ficam para quem for tentar no ano que vem ou seguintes. 

Em 2005, quando estava no segundo ano de faculdade, fiz o meu primeiro concurso para diplomata, mas ainda não sabia muitos dos assuntos cobrados no concurso e resolvi estudá-los na faculdade. Por questões profissionais e acadêmicas, só fui retomar o sonho em 2009, quando entrei em um cursinho preparatório: o JB. Após alguns meses, me inscrevi também no curso Clio, na Sara Walker (Inglês), no Eliéser (Economia) e no Marcelo Caetano (Economia). Tive aulas particulares de Francês e de Espanhol. Prestei o CACD de 2010, 2011, 2012, 2013. Não fui aprovada, mudei de ideia e segui uma carreira diferente, mas me sinto qualificada para dar algumas dicas para quem pretende começar a se preparar. Vamos para um passo-a-passo bem básico, que eu considero válido:

Primeiro passo: 
Você deve ser brasileiro nato e ter curso superior em qualquer área de formação. Se você ainda não concluiu a universidade, recomendo começar a estudar agora e ir se preparando ao longo do curso.

Segundo passo:
Você deve se informar sobre a realidade da carreira de diplomata. Muitos pensam que funciona como os filmes ou na propaganda do Ferreiro Rocher: festas, mulheres/homens bonitos e elegantes, champagne, andar nas "altas rodas" da sociedade, salvar o mundo de guerras, espionagem, viagens e mais viagens. Spoil alert: não é assim. Existe um lado glamouroso, é claro, mas o dia a dia é bastante cansativo, burocrático e demanda muito do diplomata e da sua família. Você deve estar disposto a residir em diferentes países (não fique sonhando somente com o circuito Elizabeth Arden, existem mais de 190 países no mundo), o que poderá te afastar (ao menos fisicamente) de muitos dos seus familiares e amigos. Ah, e você deve lidar bem com hierarquia. Dica: clique aqui e assista à palestra.


Terceiro passo: 
Acesse ESTE LINK e leia as provas, guias de estudo e editais dos concursos anteriores (não precisa ler tudo, de 2005 em diante já está de bom tamanho). Veja se você se sente confiante para estudar os temas cobrados e ter seus conhecimentos na área testados objetivamente e de forma dissertativa.

Quarto passo:
Pense se você estaria disposto a passar alguns meses ou até anos estudando as seguintes matérias: Língua Portuguesa, História do Brasil, História Mundial, Geografia, Política Internacional, Língua Inglesa, Língua Espanhola, Língua Francesa, Noções de Economia; Noções de Direito Interno e Internacional Público. Algumas pessoas passam no primeiro concurso que prestam. Outras, no segundo, terceiro,... não existe regra.

Quinto passo
Você estaria disposto a passar de dois a quatro meses fazendo as provas do CACD? São quatro fases de provas objetiva e descritiva. A ansiedade é algo que precisa ser trabalhado para esse concurso. Geralmente as fases se dividem desta forma (a cada ano tem algumas alterações):
1ª Fase: Questões objetivas de múltipla escolha ou de certo ou errado. Eliminatória e classificatória. Disciplinas: Língua Portuguesa; História do Brasil; História Mundial; Geografia; Política Internacional; Língua Inglesa; Noções de Economia; Noções de Direito Interno e Internacional Público.
2ª Fase: Prova escrita de Língua Portuguesa. Eliminatória e classificatória.
3ª Fase: Provas discursivas. Eliminatória e classificatória. Disciplinas das provas discursivas: História do Brasil; Geografia e Política Internacional; Língua Inglesa; Noções de Economia; Noções de Direito Interno e Internacional Público.
4ª Fase: Provas discursivas. Classificatória. Disciplinas das provas discursivas: Língua Espanhola e Língua Francesa.

Sexto passo
Agora que você já sabe como funciona o concurso, precisa buscar um bom cursinho ou bons professores. Em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro estão a maioria dos cursinhos preparatórios presenciais. Existem também ótimos cursos online, para quem está fora dessas capitais. Algumas pessoas preferem se mudar para Brasília para estudar nos cursos daqui. Cada um faz sua opção. Entre em grupos de discussão para conversar com pessoas que também estão se preparando e com pessoas que já passaram no concurso para trocar informações sobre as melhores opções de curso e, se for se mudar de cidade, de custo de vida.

Sétimo passo
Alguns cursinhos oferecem bolsas de estudo ou descontos na mensalidade; procure se informar a respeito. Os cursos geralmente não são baratos e você vai precisar gastar com materiais de leitura. Se você possui os requisitos para concorrer à bolsa de ação afirmativa, acompanhe a publicação do edital no site do CESPE e do Instituto Rio Branco. É uma excelente oportunidade, veja ESTE post.

Oitavo passo
Estude muito. Não tem como ser aprovado em um concurso sem estudar. Quem disser que não estudou e passou certamente é um gênio ou não está sendo sincero. Pegue as leituras indicadas pelos cursinhos, professores e pelos Guias de Estudo e leia, grife, resuma. Faça exercícios simulados (muitos cursinhos oferecem simulados) e refaça as provas antigas do concurso. 

Nono passo
Acompanhe os principais periódicos nacionais e internacionais. Você deve estar sempre atualizado. Leia os discursos e notas no site do Itamaraty e assista aos principais vídeos sobre política externa que eles disponibilizam. Veja ESTE post.

Décimo passo
Depois de fazer tudo isso, você saberá quais são suas necessidades e poderá se (re)organizar e se preparar para a prova. E, então, é só esperar a aprovação! Estarei aqui torcendo por todos e todas!


Outros posts do blog que podem lhe interessar:

Para sua namorada/seu namorado ler sobre o concurso
http://diplowife-diplolife.blogspot.com.br/2015/08/meu-namoradominha-namorada-quer-ser.html

Informações sobre o Programa de Ação Afirmativa - Bolsa de Estudos
http://diplowife-diplolife.blogspot.com.br/2015/07/ultimos-dias-de-inscricao-programa-de.html

Série "A face pouco conhecida da diplomacia"
http://diplowife-diplolife.blogspot.com.br/search/label/A%20face%20pouco%20conhecida%20da%20vida%20diplom%C3%A1tica

Série de entrevistas "Mães no Itamaraty"
http://diplowife-diplolife.blogspot.com.br/search/label/M%C3%A3es%20no%20Itamaraty

Série "Diplomatas famosos"
http://diplowife-diplolife.blogspot.com.br/search/label/Diplomatas%20famosos

Aplicativos: como facilitar sua vida no exterior

Viver em um país de língua desconhecida não é fácil. Se mudar para uma nova cidade pode ser uma aventura. Para facilitar a vida de quem viaja a trabalho, passeio ou está se mudando de país, seguem algumas dicas bem legais de aplicativos grátis que eu tenho. Quem quiser dar mais dicas, pode ficar à vontade! 

Google Translate: Traduz textos e imagens de textos em até 27 idiomas diferentes.

National Geographic City Guides: guias de diferentes cidades com mapas, dicas de atividades de lazer, passeios turísticos e alimentação. Você tem a opção de marcar favoritos.

Fodor's City Guides: guias de diferentes cidades com mapas, dicas de atividades de lazer, passeios turísticos e alimentação. Você tem a opção de marcar favoritos.Você pode fazer reservas de hotéis, restaurantes e atrações por meio do aplicativo. 

AroundMe: Com base na sua localização geográfica, te indica hospitais, farmácias, estacionamentos, bares, cinemas e cafeterias mais próximas. Existe a opção também de guias locais.

The Weather Channel: Esse é autoexplicativo. Previsão do tempo para o mundo todo, com opção de ver o próprio dia ou próximos dez dias. Tem notícias de eventos naturais e informações sobre possíveis ciclones, inundações, etc.

SkyScanner: Busca de passagens aéreas a preços promocionais.

Time.Is: Informa a hora exata nas mais diferentes cidades do mundo. Bom para quem não quer ter que calcular o fuso de cabeça.

Dictation: Se você está tendo aulas em outro idioma, pode usar o aplicativo de ditado para anotar automaticamente o que o professor está falando para o caso de você não entender alguma coisa.

Fale e Traduza: Tradutor de voz (42 idiomas), de texto (100 idiomas) e dicionário.

Moeda+: Conversor de moedas. Muito prático, pois você tem a cotação de uma moeda transformada instantaneamente e concomitantemente em outras.

Booking.com: Busca e reserva de hotéis, pousadas e hostels por um bom preço.

Distant suns: aponte-o para o céu e saiba os astros que estão acima de você. É bem legal para conhecer constelações e se localizar astronomicamente. 

Waze: para saber o caminho de um ponto a outro da cidade, se há trânsito ou não. 

Kindle: para poder "carregar" consigo todos os seus livros aonde você for.




Alguns sites especializados também tem suas dicas:

Nômades Digitais: 09 aplicativos que vão facilitar sua viagem

Veja: 12 aplicativos de celular para deixar sua viagem mais fácil e divertida

Viagem: aplicativos de viagem

Catraca Livre: 14 aplicativos para você baixar gratuitamente antes da próxima viagem

Aplicativos de viagem: blog


E um plus para o post: assistam ao vídeo
Catraca Livre: Empresa cria roupa para viagens com mais de dez funções


Programa de Ação Afirmativa - Diplomacia

Enquanto não volto de "férias do blog"...

Passei aqui no blog para lembrá-los que dia 31 de julho terminam as inscrições para o Programa de Ação Afirmativa 2015. Mais informações no link: cespe.unb.br. Hoje pela manhã, resolvi buscar o número de bolsas concedidas ao longo dos anos. Dei uma olhadinha rápida no site do CESPE, do Instituto Rio Branco e em uma reportagem do G1 (leia AQUI) que falava sobre o assunto e montei a tabela abaixo. Não posso dizer se os dados de aprovação estão corretos, pois não busquei fontes oficiais - o tempo não está me permitindo. De qualquer forma, quis publicar para divulgar essa iniciativa do MRE e do CNPq.

"Até 2014, o Ação Afirmativa já concedeu 594 bolsas para 354 bolsistas, dos quais 21 foram aprovados no CACD. Todas as edições do Programa entre 2002 e 2012 fizeram pelo menos um candidato aprovado no concurso, e todas as edições do CACD desde 2003, à exceção da de 2005, tem entre seus aprovados pelo menos um bolsista do Programa." . Fonte: institutoriobranco.mre.gov.br


Programa de Ação Afirmativa

"O Programa de Ação Afirmativa tem por objetivo ampliar as oportunidades de acesso aos quadros do Ministério das Relações Exteriores e incentivar e apoiar o ingresso de afrodescendentes na Carreira de Diplomata, por meio da concessão de Bolsa-Prêmio de Vocação para a Diplomacia no valor de R$ 25.000,00, desembolsados parceladamente ao longo do ano de vigência. O Programa é realizado anualmente e já conta com 11 edições concluídas.

Trata-se de processo seletivo dividido em duas etapas. Na Primeira Etapa, o candidato à bolsa realiza prova objetiva com questões de Língua Portuguesa, História do Brasil e Noções de Política Internacional, aplicada em diversas capitais estaduais e em Brasília.

A Segunda Etapa compreende a realização de entrevista técnica dos candidatos aprovados na Primeira Etapa. Por ser realizada somente em Brasília, os candidatos têm as despesas de transporte e acomodação custeadas pelo Instituto. É nessa fase que o candidato apresenta Plano de Estudos e Desembolso contendo cronograma detalhado dos gastos previstos para os recursos da bolsa-prêmio durante os meses de vigência do Programa. O formato e a apresentação do plano de estudos são de total responsabilidade do candidato. Na Segunda Etapa, os aspectos avaliados são:
a) formação acadêmica;
b) adequação e viabilidade do Plano de Estudos e Desembolso;
c) necessidade de apoio para realização de seus estudos preparatórios ao Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata;
d) expectativas pessoais sobre a Carreira Diplomática;
e) experiência pessoal do candidato como afrodescendente;
f) conhecimento e aceitação dos objetivos do programa.

Os candidatos são classificados conforme a nota final no processo seletivo, a qual é obtida pela média aritmética ponderada das notas obtidas na prova objetiva e na entrevista técnica.

Considerando que a aprovação no CACD exige preparação de longo prazo, o Programa prevê a concessão da bolsa-prêmio a um mesmo candidato em até cinco edições, mediante a aprovação nos processos seletivos correspondentes e de acordo com as seguintes condições:
a) A primeira renovação da bolsa-prêmio é facultada a todos os candidatos sem restrições;
b) A segunda renovação da bolsa-prêmio é condicionada a desempenho satisfatório anterior (aprovação e classificação) na primeira fase do CACD;
c) A terceira renovação da bolsa-prêmio é condicionada a desempenho satisfatório anterior (aprovação e classificação) na primeira e segunda fases do CACD;
d) A quarta e última renovação da bolsa-prêmio é condicionada a desempenho satisfatório anterior (aprovação e classificação) na primeira, segunda e terceira fases do CACD.

Ademais de ser aprovado na Primeira Etapa e obter na Segunda Etapa do processo seletivo classificação condizente com o número de bolsas-prêmio oferecidas, o candidato deve atender aos seguintes requisitos:
a) Ser brasileiro nato;
b) Ser afrodescendente, condição a ser expressa por meio de autodeclaração;
c) Estar em dia com as obrigações eleitorais;
d) Estar em dia com as obrigações do serviço militar, no caso dos candidatos do gênero masculino;
e) Haver concluído curso de graduação de nível superior ou estar habilitado a concluir curso dessa natureza até o fim do ano seguinte ao de realização do processo seletivo;
f) Inscrever-se no CACD.
g) Haver completado a idade mínima de 18 anos até a data da publicação do resultado final no processo seletivo."
Fonte: http://www.institutoriobranco.mre.gov.br/pt-br/programa_de_acao_afirmativa.xml

Histórico do Programa de Ação Afirmativa


"Lançado em 21 de março de 2002, em comemoração ao Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial, por meio de Protocolo de Cooperação firmado entre os Ministérios das Relações Exteriores, da Justiça, da Cultura e da Ciência e Tecnologia, o Programa de Ação Afirmativa do Instituto Rio Branco – Bolsa-Prêmio de Vocação para a Diplomacia foi instituído com a finalidade de proporcionar maior igualdade de oportunidades de acesso de afrodescendentes à carreira de diplomata e de acentuar a diversidade étnica nos quadros do Itamaraty.

A Bolsa-Prêmio de Vocação para a Diplomacia foi instituída também como forma de implantar responsabilidades assumidas pelo Brasil ao tornar-se parte da Convenção Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial. Condiz, ademais, com o papel de relevo representado pelo país na Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Intolerância Correlata, realizada em Durban, África do Sul, em 2001. Naquela ocasião, os Estados foram instados a adotar medidas de eliminação da desigualdade racial, com políticas que visassem, por exemplo, a alterar o padrão de desigualdade nos índices educacionais de negros e brancos e a promover o acesso racialmente democrático ao mercado de trabalho.

Esses objetivos estão integrados ao Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010), que estabelece como diretriz a implantação de políticas de erradicação da discriminação racial, entre as quais políticas afirmativas, com campanhas de conscientização, concessão de bolsas para estudantes negros e apoio a iniciativas de promoção da igualdade social.

O Programa de Ação Afirmativa é realizado em conjunto com outros órgãos, em particular com o Ministério da Ciência e Tecnologia, por meio do CNPq, o qual tem oferecido, tradicionalmente, 12 bolsas em cada edição do Programa. Outros órgãos parceiros do programa são o Ministério da Cultura, por meio da Fundação Palmares, a Secretaria de Direitos Humanos e a Secretaria Especial de Promoção de Políticas de Igualdade Racial, os quais participam da Comissão Interministerial que gere a etapa final do processo seletivo.

As bolsas concedidas têm atualmente o valor anual de R$ 25.000,00 e são desembolsadas mensalmente, devendo ser utilizadas na aquisição de livros e material de estudo, pagamento de cursos preparatórios e professores particulares, entre outros. A fim de permitir que o bolsista se possa dedicar o maior tempo possível à preparação para o CACD, admite-se gasto com custeio em até 30% do valor da bolsa.

A concessão de bolsas tem melhorado, de forma concreta e decisiva, as condições de preparação para o CACD e, por consequência, as possibilidades de ingresso de candidatos afrodescendentes. A decisão de permitir que bons candidatos sejam selecionados mais de uma vez como bolsistas mostrou-se muito frutífera, pois a maior parte dos ex-bolsistas aprovados no CACD recebeu a bolsa em duas ou mais edições do Programa. Essa tendência explica-se, de um lado, pela complexidade intrínseca do concurso, que exige preparação de longo prazo, e, de outro lado, pelo amadurecimento intelectual proporcionado pela dedicação aos estudos, condição fundamental para a aprovação.

Até 2014, o Ação Afirmativa já concedeu 594 bolsas para 354 bolsistas, dos quais 21 foram aprovados no CACD. Todas as edições do Programa entre 2002 e 2012 fizeram pelo menos um candidato aprovado no concurso, e todas as edições do CACD desde 2003, à exceção da de 2005, tem entre seus aprovados pelo menos um bolsista do Programa.

O Ministério das Relações Exteriores, ao reconhecer a necessidade de esforços adicionais com vistas a ampliar o ingresso de afrodescendentes na carreira diplomática, para além da concessão da Bolsa-Prêmio de Vocação para a Diplomacia, adotou reserva de vagas na Primeira Fase do CACD a partir de 2011."

Fonte: http://www.institutoriobranco.mre.gov.br/pt-br/historico.xml

24/07/2015

Demanda de candidatos por vaga no CACD 2005 a 2015

Enquanto não volto de "férias do blog"...

Eu fico louca para escrever no blog, mas tenho que focar na tese. Isso não significa que não possa dar uma passadinha aqui, não é? Hoje me surgiu uma curiosidade e fui atrás dos dados para matar essa sede de informação. Eu queria saber a demanda dos concursos para diplomata. Fiz um levantamento e eis a resposta: de 2005 a 2015, o ano com maior número de vagas oferecidas foi 2008 (115 vagas), o ano com maior número de candidatos foi 2010 (8.869 inscritos) e o ano com maior demanda foi 2011 (276,15 candidatos por vaga). Estou pensando em fazer mais levantamentos a respeito dos concursos de Oficial de Chancelaria, Assistente de Chancelaria e Diplomata, mas isso vai ficar para 2016.




Concurso de 2015:
  • 671 inscritos cotistas
  • 06 vagas para cotistas
  • Demanda candidatos cotistas: 111,83
  • 61 inscritos portadores de deficiência
  • 02 vagas para portadores de deficiência
  • Demanda candidatos portadores de deficiência: 30,5


Falando em pesquisa...

Eu e a AFSI (Associação de Familiares de Servidores do Itamaraty) fizemos uma parceria com o objetivo de lançar um livro cheio de histórias sobre os familiares e servidores do SEB. O objetivo este mês é recolher dados e relatos dos PAIS vinculados ao Itamaraty. As informações colhidas são anônimas, não é necessário se identificar. Servidores e cônjuges podem responder ao formulário. 
Para receber o link, me enviem uma mensagem ou deixem um comentário aqui no blog. 
.
Já colhemos relatos e dados sobre a vida das mães, conforme teaser disponível  AQUI no blog

22/07/2015

Itamaraty nas mídias sociais

Enquanto não volto das minhas "férias do blog", acompanhem o Itamaraty nas mídias sociais.

"Ministério das Relações Exteriores mantém diversos perfis em plataformas de mídias sociais e de conteúdo digital, com os objetivos de estabelecer canais de comunicação do Ministério com a sociedade e de compartilhar informações sobre o cotidiano do Itamaraty e sobre os principais eventos e iniciativas da política externa brasileira. Esses meios de comunicação permitem, também, acompanhar os eventos, atos e a agenda do Ministro das Relações Exteriores, o que possibilita conhecer melhor as ações, os programas e as políticas da ação externa do Brasil. O Ministério mantém perfis que são administrados tanto pelos postos do Brasil no exterior quanto pela Assessoria de Imprensa sediada em Brasília. Para saber mais sobre a presença digital das Embaixadas, Consulados e Missões do Brasil, visite o mapa de mídias digitais na página do Itamaraty, onde estão listados todos os perfis do MRE: http://goo.gl/Ywi7pp".

 Aqui está um mapa interativo com os postos no exterior:





Links para as redes sociais: 

Visite o Itamaraty

Horário de visitação
Segunda a sexta: 9h, 10h, 11h, 14h, 15h, 16h e 17h (a última visita inicia-se às 17h).
Sábados, domingos e feriados: 9h, 11h, 14h, 15h e 17h (a última visita inicia-se às 17h).

Visitas guiadas de hora em hora. Não é possível fazer passeio livre. Os visitantes devem permanecer com o grupo e com o guia durante todo o tempo.  As visitas guiadas são oferecidas em português, francês e inglês. É necessário verificar a disponibilidade e fazer o agendamento. Não são oferecidas visitas em duas ou mais línguas ao mesmo tempo.De segunda a sexta-feira, não é permitido entrar usando chinelos, shorts, bermuda, camiseta regata e/ou roupas curtas em geral. Por causa de cerimônias oficiais, as visitas podem ser suspensas sem aviso prévio. Agendamento: +55 (61) 2030 8051 ou por meio do endereço visita@itamaraty.gov.br (apenas durante o horário de visitação, em dias úteis, inclusive para as visitas aos fins de semana)